HÉLIO'S BLOG

Início » Divulgação Científica » Desvio Espiritual

Desvio Espiritual

Categorias

HÉLIO’S BLOG

#DivulgaçãoCientífica

Relacionamentos e Aceitação da nossa escuridão

Nos últimos 4 meses eu fiz uma pausa do mundo externo e da internet por dois meses. Eu precisava entrar em um estado sabático para resolver algumas feridas da infância e questões que surgiram para mim. A vida me mostrou a minha sombra mais uma vez para que fosse olhada e me conscientizasse dela. 

Eu pensei que eu já tinha trabalhado muito, mas agora uma outra camada foi aberta e feridas cruas e mais profundas estavam dolorosamente presentes, forçando-me a sentir um monte de emoções que eu tinha suprimido, principalmente culpa, vergonha e raiva…

O DESVIO ESPIRITUAL, OS RELACIONAMENTOS E A NOSSA ESCURIDÃO

Fontehttps://veilofreality.com/ – Por Bernhard Guenther


“É subavaliação ao extremo de dizer que o aprofundamento espiritual não é necessariamente um processo benigno, agradável, limpo ou confortável. Inicialmente, podemos flertar com a abertura espiritual, fazendo algumas práticas de meditação, lendo literatura espiritual ou metafísica, experimentando professores, cursos e ensinamentos diferentes, talvez esperando que nossas experiências espirituais nos façam mais felizes ou mais bem sucedidos, mas quando vamos – ou somos obrigados a ir – além do diletantismo espiritual e do cultismo (ou somos obrigados a ir além da superficialidade), chegando ao ponto em que não nos importamos com ser espiritualmente corretos e onde o aprofundamento espiritual não é uma opção, mas uma necessidade fundamental, percebemos que é muito mais um processo de sacrifício do que esperávamos, necessariamente colocando-nos face a face com tudo o que temos afastado, rejeitado e escondido, ou de outra forma evitado ver em nós mesmos a nossa própria sombra.

coração-amor-luz

Temos uma habilidade surpreendente para nos enganar a nós mesmos, e uma habilidade igualmente surpreendente para cortar o que está em nosso caminho e que deve ser visto mais claramente. A primeira habilidade – que aparece em cada nível de desenvolvimento – gera as próprias condições que catalisam a segunda, condições que apresentam sofrimento suficiente para realmente atrair nossa atenção. Por mais inconsciente ou inconscientemente, nós convidamos as circunstâncias que trazem a nossa insatisfação para tal pico – ou através da circunstância ! – que algo tem que acontecer, fornecendo-nos a situação em que uma graça áspera (pela experiência da dor vivida)  é necessária”.  –  Robert Augustus Masters


Nos últimos 4 meses eu fiz uma pausa do mundo externo e da internet por dois meses. Eu precisava entrar em um estado sabático para resolver algumas feridas da infância e questões que surgiram para mim. A vida me mostrou a minha sombra mais uma vez para que fosse olhada e me conscientizasse dela.

Eu pensei que eu já tinha trabalhado muito, mas agora uma outra camada foi aberta e feridas cruas e mais profundas estavam dolorosamente presentes, forçando-me a sentir um monte de emoções que eu tinha suprimido, principalmente culpa, vergonha e raiva. Eu percebi que eu entendia muitas coisas intelectualmente no passado, mas não totalmente quebrara os amortecedores e armaduras do meu eu emocional que eu pensei que eu já tinha processado. Em vez disso, eu estava projetando-o para fora em direção a outros em minha vida. Meu Conhecimento e Entendimento estava superando meu Ser, não incorporando plenamente o “Trabalho”, evitando analisar e enfrentar questões mais profundas que eu não poderia ignorar mais. Como Carl Jung disse:

“O inconsciente pessoal deve sempre ser tratado primeiro … caso contrário a porta de entrada para o inconsciente cósmico não pode ser aberta”.   Carl Jung

O universo e a vida atraem pessoas e situações em nossas vidas às vezes para lidarmos com o inconsciente pessoal, a ESCURIDÃO que precisamos tornar consciente em nós mesmos, antes que possamos alcançar quaisquer estados espirituais mais elevados. Os relacionamentos pessoais são muito poderosos e desafiadores a esse respeito quando nos envolvemos na dança da projeção de sombras, desencadeando ferimentos infantis inconscientes um no outro.

Quando estamos em meio a situações desafiadoras que leva a vida a uma espiral descendente e tudo parece desmoronar é difícil fazer sentido de tudo. A dor e o sofrimento podem ser intensos, resultando em depressão, ressentimento, raiva, culpa e vergonha. Sentimos ressentimento se nos sentimos prejudicados por outra pessoa e culpamos ela pela dor que nos causaram. Ou culpamo-nos com culpa e vergonha do quão ruim e mau que nós somos. Assim, julgamos os outros ou a nós mesmos, reagindo mecânica e inconscientemente.

Não há nada de errado em sentir ressentimento, raiva, culpa ou vergonha. É ok reconhecer e dizer “Ouch, você me machucou!” Ou admitir nossos erros para os outros e fazer as pazes porque nos sentimos culpados e machucamos outra pessoa por causa de nossas “más” ações. Há um lugar e expressão saudável para emoções negativas. Ela nos ajuda a iluminar as coisas que havíamos suprimido e escondido. Ela só começa a se tornar tóxica e auto-destrutiva se mantivermos persistência sobre o ressentimento / raiva ou machucamo-nos com culpa e vergonha ao ponto de diminuir a nossa saudável auto-estima.

face-a-face

Quando não podemos deixar ir embora o ressentimento e continuamos alimentando nossa raiva, continuamente apontando tudo o que a outra pessoa está fazendo e tem feito de errado, culpando ele / ela pela nossa dor e / ou vergonha, então esta questão é mais profunda e se relaciona com a nossa infância ferida que esta subindo à superfície. Relaciona-se com nossas necessidades que não estão sendo satisfeitas por nossos pais ou feridas velhas de relacionamentos passados que nós não processamos inteiramente e deixamos vir para fora e que estão sendo reativadas. O mesmo acontece se continuarmos a diminuir-nos com culpa e vergonha, fazendo-nos sentir inúteis. Refere-se ao nosso filho, criança interior que está carregando feridas das quais ainda não tomamos consciência.

Nesse sentido, emoções negativas sobre nós mesmos ou sobre os outros podem nos levar a uma espiral descendente onde sofremos mecânica e inconscientemente. No entanto, se podemos reconhecer os gatilhos e refletir como isso se relaciona com as nossas feridas da infância, sem projetá-las no presente e tornar as coisas pessoais, então podemos usar essas emoções negativas para sofrer conscientemente a fim de dissolvê-las, superá-las e não reagir mecanicamente, Com compaixão e empatia para conosco mesmo e para com os outros. Trata-se de abordar, processar e resolver a dor e as sombras sem sentir culpa (finalmente TRANSCENDER a situação e seguir em frente).

Isso, é claro, às vezes é mais fácil dizer do que fazer porque nossos comportamentos inconscientes são difíceis de se detectar primeiro, pela simples razão porque eles são inconscientes. É importante não suprimir ou evitar emoções negativas. Eles não são realmente “negativas” para começar, apesar de causarem grande desconforto, mas tendemos a julgá-los como “más” ou nos identificamos tão fortemente com essas emoções negativas que pensamos que somos elas. Não reagir não significa suprimir, mas senti-las conscientemente, sendo vulnerável e para fazer isso precisamos sintonizar nosso corpo emocional.

Ser um trabalhador do corpo e receber massagem em uma base regular, bem como ter uma prática de yoga consistente e qi gong me mostrou muitas vezes a importância da conexão corpo-mente, como nossos traumas e feridas de infância são armazenados em nossos corpos. Nossos músculos, tecidos, órgãos e ossos são portadores de energia e memória, todos os quais estão inter-relacionados e conectados. O corpo é um organismo holístico onde nada é isolado. Tudo nos afeta física e energicamente em algum nível. Qualquer experiência que já tivemos, mesmo as coisas que aconteceram conosco, mas que nós esquecemos ou não estamos cientes delas, ainda é realizada no corpo. Quer seja dor, uma relação quebrada, dor emocional, estresse diário, problemas de infância, lesões e acidentes, trauma de vidas passadas, etc … o corpo atual armazena a experiência e não “esquece” até que seja liberado no corpo, ate que aconteça a “cura”.

Ao longo da minha vida eu tenho trabalhado através de muitas questões com a ajuda dessas técnicas corpo-mente, mas como mais veio para mim recentemente, eu precisava de uma nova abordagem. Depois de uma ruptura difícil com meu parceiro, decidimos ver um psicoterapeuta profissional (como um casal e em sessões individuais) treinados em Terapia Gestalt, Psicologia Junguiana, Trauma Work, Terapia de Liberação Somática e várias outras técnicas corpo-mente. No primeiro eu estava relutante em ir. Meu ego entrou, me dizendo “O quê? Eu? Eu não preciso ir à terapia. Eu posso trabalhar isto com meus próprios recursos!”. Mas eu percebi que tinha batido em uma parede e estava num beco sem saída. Meu relacionamento com minha parceira foi se desintegrando na medida que nossas feridas individuais da infância estavam estalando em nossos rostos, clamando por reconhecimento. Demasiados gatilhos e reações mecânicas, consciência insuficiente e falta de atenção plena.

estrelas-em-movimentoIr ver um terapeuta foi a melhor coisa que eu poderia ter feito. Quando eu estava dizendo a ela sobre o que eu estava passando, ela me parou às vezes no meio da sentença, me fazendo consciente de movimentos corporais sutis ou expressões faciais que eu fazia e não estava ciente de como eu estava falando, me guiando suavemente para sentir as emoções subjacentes, perguntando onde eu a sinto e, me encorajando a falar com ela, me ajudando a sair da minha mente e “sentir” mais. Sua presença de empatia radiante, mas com limites energéticos claros era muito poderosa, dando-me o espaço e a segurança para processar sem me sentir julgado.

Muitas vezes durante essas sessões eu comecei a chorar do nada, enquanto minha terapeuta me guiava pelo corpo. Eu tive liberações emocionais em casa durante este tempo também, chorando e lamentando com tristeza intensa, as emoções negativas (as sombras) que estavam “presas” por décadas ou mesmo vidas passadas que foram sendo liberadas. Ferimentos narcísicos desde a infância (quando um ou ambos os pais tentam satisfazer as suas necessidades através de nós e não responderam plenamente às nossas necessidades) e problemas de co-dependência emocional surgiram (o que um pode causar ao outro), duas coisas que muitos de nós estão lidando, estando conscientes ou não.

Curiosamente, eu estive consciente dessas questões durante anos, mas percebi agora que eu nunca trabalhei com elas em que o nível emocional profundo como eu era capaz de fazer agora graças à terapia. Eu não poderia ter feito isso sozinho.

Quatro meses depois, sinto uma profundidade emocional e sensibilidade com empatia e compaixão que nunca experimentei antes. No entanto, o trabalho nunca pára e é um processo contínuo. A principal coisa que eu percebi é como todos nós podemos facilmente entrar em um “desvio espiritual”, onde usamos conceitos espirituais e esotéricos para contornar o trabalho psicológico básico, de enfrentar nossas sombras, superestimar-nos e essencialmente mentir para nós mesmos sobre o nosso estado de ser, intelectualizar as coisas e não encarnar nelas. Especialmente hoje em dia com toda a psicologia pop e material de nova era, podemos facilmente amortecer problemas e evitar um trabalho psicoterapêutico mais profundo, enganando a nós mesmos o tempo todo.

“Todos os que estão no “caminho” espiritual se engajaram no “DESVIO” espiritual. Precisamos aceitar que temos ou estamos usando isso para evitar nossos problemas psicológicos e nos sentirmos melhor sobre nós mesmos. Devemos ver isso com genuína compaixão e compreensão, SEM julgamento ou negação. Devemos estar conscientes de nossa capacidade de usar um desvio espiritual. Precisamos parar de empalar-nos em vários deveres espirituais e práticas e preocupações de ser agradável, positivo e espiritual. Precisamos reconhecer e agir ao abordar nossas emoções, impulsos e intenções mais escuras e negativas ou menos espirituais e parar de negá-las como parte de quem somos. Devemos estar cientes de nossa necessidade de ser alguém especial, espiritual, avançado, e parar de dividir tudo em positivo e negativo, mais alto e mais baixo, espiritual e não-espiritual. Queremos alcançar um estado de imunidade ao sofrimento.

Os sinais de evasão, fuga, do DESVIO espiritual incluem:

  • Minimização, superficialização ou negociação do nosso lado sombrio e da nossa negatividade.

  • As declarações globais como “tudo é perfeito” se desdobram como devem. É tudo uma ilusão, incluindo o seu sofrimento. É apenas seu ego.

  • Raciocínio espiritualmente racionalizado de sentir profundamente, especialmente nossas emoções menos agradáveis.

Esforços para erradicar o ego:

  • Quanto maior a dor de nossas feridas não resolvidas, maior será a probabilidade de nos envolvemos no desvio espiritual

  • Onde a prática espiritual e realização são usadas para evitar de forma direta e desprotegida o sentir a realidade crua do sofrimento, mantendo-nos seguros.

  • Sentir a necessidade de aprofundar-se nas práticas espirituais se o progresso não é bom o suficiente, auto-culpa, auto-complacência, auto-indulgência, mantém-nos distraídos de ter que enfrentar e lidar com o núcleo de sua dor.

“Quando estamos sob o domínio do desvio espiritual, consideramo-lo desnecessário e só para o neurótico e, na melhor das hipóteses, reforçamos o própria egoismo que a espiritualidade poderia erradicar. É muito fácil disfarçar o medo da psicoterapia na linguagem espiritual. Pode até mesmo nos manter presos conceitualmente em um nível mais elevado.

Cortar caminho através do desvio espiritual significa voltar-se para os elementos de sombra dolorosos, indesejados, assustadores de nós mesmos. Para fazer isso, precisamos cortar nosso entorpecimento e nossas defesas, aproximando-nos com todo o cuidado que pudermos, de nossas sombras. Se ao fazer isso parece que curamos nosso coração, então estamos no caminho certo. Quando o coração cura, ele se abre e se expande, não se quebra. Quando saímos da dormência e nos tornamos mais confortáveis com nossa própria cura, vemos o que nos levou a um desvio espiritual. Esta é uma jornada desafiadora para dizer o mínimo”.   –  Robert Augustus Masters

anjo-luz-paz-movimentoMas, mesmo com a psicoterapia, precisamos ter DISCERNIMENTO e escolher o terapeuta certo é a chave. Quando me refiro a psicoterapia, falo sobre técnicas mencionadas anteriormente (Terapia Gestalt, Psicologia Jungiana, Trabalho Traumático, Terapia de Liberação Somática e várias outras técnicas corpo-mente), não simplesmente terapia de conversação freudiana ou obtenção de produtos farmacêuticos de um psicólogo. Como todos sabemos, a psicologia também se tornou muito distorcida, no entanto, ao mesmo tempo, existem muitos novos conceitos e práticas que evoluíram, combinando o trabalho espiritual e psicológico com as técnicas corpo-mente de forma muito eficiente e prática.

Durante o trabalho com o terapeuta, não só deixei de lado meu estigma em torno da psicoterapia e meu julgamento de que apenas pessoas muito “danificadas” vão à terapia, mas percebi que todos, sem exceção, podem se beneficiar do trabalho psicoterápico básico, porque todos nós temos problemas e feridas de infância persistentes em nós para serem reconhecidas e curadas. Todos nós fomos feridos de maneiras diferentes.

Especialmente neste dia e época, onde a vida se tornou mais complexa e incerta na medida que o mundo está mudando mais rápido e cada vez mais rápido, é importante mergulhar profundamente em nosso inconsciente para curar o que precisa ser curado. É parte de ser a mudança que você quer ver no mundo, confrontando sua sombra dentro e fora.

Há muito em você que não está sendo levado a esse sistema de personalidade nem a seu ego, como parte do que você percebe como “você”. Justamente oposta ao ego, enterrado no inconsciente, é o que Carl Jung chama de sombras.

Agora, a sociedade (um sistema de controle muito sutil) vai lhe dar um papel a desempenhar, e isso significa que você tem que cortar de sua vida muitas das coisas que você, como uma pessoa, pode querer pensar ou fazer. Esses potenciais são desviados para o inconsciente. Sua sociedade diz: “Você deve fazer (ser) isso, você deve fazer (ser) aquilo”; Mas ela também diz: “Você não deve fazer (ser) isso, você não deve fazer (ser) aquilo.” Essas coisas que você gostaria de fazer, que não são realmente coisas muito agradáveis para se querer fazer, aqueles colocados no seu Inconsciente, também. Este é o centro do inconsciente pessoal.

A sombra é, por assim dizer, o ponto cego em sua natureza. É o que você não quer olhar para si mesmo. Esta é a contrapartida exatamente do inconsciente freudiano, as lembranças reprimidas, bem como as potencialidades reprimidas em você.

A sombra é o que você poderia ter sido se tivesse nascido do outro lado da faixa: a outra pessoa, o outro você. É composto dos desejos e idéias dentro de vocês e que vocês estão reprimindo – todos introjetados no seu ID. A sombra é o aterramento do eu. No entanto, é também uma espécie de cofre: ele possui grandes potencialidades não realizadas dentro de você.

A natureza da sua sombra é uma função da natureza do seu EGO (eu inferior, instintivo). É o oposto de seu lado LUZ. Nos mitos, a sombra é representada como o monstro que tem de ser superado, o DRAGÃO (pessoal). É a coisa escura que surge do abismo e confronta você no minuto em que você começa a se deslocar para o inconsciente. É a coisa que assusta você para que você não queira ir para lá. Ele bate de baixo e do seu mais íntimo e recôndito ser. Quem é esse lá embaixo? Quem é isso lá em cima? Tudo isso é muito, muito misterioso e assustador.

Se o seu ego pessoal é muito superficial, muito estreito – se você enterrou muito de você dentro de sua sombra – você vai secar. A maioria de suas energias (da LUZ) não estão disponíveis para você. Muita coisa pode se reunir lá nas suas profundezas. E, eventualmente, uma Enantiodromia vai bater pesado, e que não é reconhecida, os demônios aos quais voce esteve desatento vão emergir rugindo para serem curados pela LUZ.

A sombra é a parte de você que você não sabe (ou esta negando) que está lá. Seus amigos vêem, no entanto, e é também por isso que algumas pessoas não gostam de você. A sombra é você como você poderia ter sido; É esse aspecto de você que poderia ter sido se você tivesse permitido a si mesmo cumprir o seu potencial inaceitável.

A sociedade (um sistema de controle muito sutil), é claro, não reconhece esses aspectos de seu eu potencial. Você mesmo não está reconhecendo esses aspectos de si mesmo; você não sabe que eles estão lá ou que você os reprimiu. A sombra é aquela parte de você que você não vai permitir mostrar aos demais, que inclui o bem – quero dizer potencialmente – assim como aspectos perigosos, sombrios e desastrosos do seu potencial.

Tudo o que nos irrita nos outros pode nos levar a uma compreensão profunda de nós mesmos“. Carl G. Jung

espelho

Você pode reconhecer quem é voce mesmo simplesmente pensando nas pessoas de quem você não gosta. Eles correspondem àquela pessoa que você poderia ter sido – de outra forma, eles não significariam muito para você. As pessoas que te excitam positivamente ou negativamente capturaram algo projetado de si mesmo: “Eu não te amo, Dr. Fell. A razão pela qual eu não posso dizer, mas isso só eu sei muito bem, eu não te amo, Dr. Fell? “

Por quê? Porque ele é minha sombra. Eu não sei se você teve experiências semelhantes em sua vida, mas há pessoas que eu desprezo no momento em que eu as vejo. Essas pessoas representam esses aspectos NEGATIVOS de mim mesmo, cuja existência recuso-me a admitir. O ego tende a se identificar com a (o que o sistema diz ser CORRETO E ACEITÁVEL, manipulando-nos) sociedade, esquecendo-se dessa sombra. Ele pensa que é você. Essa é a posição em que a sociedade nos coloca, nos induz a aceitar. A sociedade (o sistema que te controla) não dá a mínima se você quebrar quando está terminando com você – esse é o seu problema.

Jung chama o indivíduo que se identifica com sua persona uma  personalidade mana ; Nós a designamos como uma camisa inflada. Essa é uma pessoa que não é nada além do papel que (o EGO) ele ou ela desempenha. Uma pessoa desse tipo nunca deixa seu caráter, persona (o POTENCIAL) real se desenvolver. Ele permanece simplesmente USANDO uma máscara, e na medida que seus poderes falham – na medida em que ele comete, persiste nos erros e assim por diante – ele se torna cada vez mais assustado e inseguro sobre si mesmo, coloca cada vez mais um esforço enorme em manter a máscara. Em seguida, ocorre a separação entre a persona e o SELF, forçando a sombra a recuar mais e mais no abismo.

Você deve assimilar a sua própria sombra, abraçá-la. Você não precisa agir com base nela, necessariamente, mas você deve reconhecê-la e aceitá-la e assim transcende-la. Você não deve assimilar a anima / animus – esse é um desafio diferente. Você deve se relacionar com ela através do outro.

A única maneira de se tornar um ser humano é através de relacionamentos com outros seres humanos”.  –  Joseph Campbell, Caminhos para a Felicidade

Na vida cotidiana, relacionamentos íntimos ou apenas amizades podem desencadear a sombra existente em si próprio. Quando os problemas surgem em um relacionamento como eles sempre acontecem em um determinado ponto e a sombra emerge em cada um, projetando-o sobre o outro e machucando uns aos outros inconscientemente, há uma chance de curar feridas de infância profundamente enraizadas que estão surgindo novamente, cada parceiro jogando para fora os problemas com a figura do pai (ou ambos) por quem fomos feridos (como todos nós temos sido em vários graus porque nenhum pai é perfeito), por causa de suas próprias feridas. Se pudermos reconhecer isso e levar nossas projeções de volta, compreendendo que não há ninguém para culpar, nem o parceiro nem os pais, mas que são apenas lições (desde que não as rejeitemos), o relacionamento pode ser transformado para um nível superior.

Mas isso requer trabalho sincero e corajoso de ambos os parceiros com humildade, compaixão e empatia, especialmente porque as projeções não vão parar durante uma noite pois continuaremos sendo acionados a escorregar para trás em comportamentos negativos inconscientes. Às vezes, uma terceira pessoa, um mediador ou terapeuta é necessário. Trata-se de abordar, processar e resolver, fazer as pazes e ajudar-nos uns aos outros no processo. Este não é um trabalho fácil, de longe, porque essas feridas antigas podem machucar muito e todos nós tendemos sempre a querer a evitar a dor e amortece-las com um band-aid qualquer, projetando a causa sobre a outra pessoa em vez de curar as nossas feridas. É o fogo onde o chumbo é transformado em ouro (alquimia).

Se isso não for possível e não ficarmos cientes dos gatilhos e projeções e continuarmos levando as coisas pessoalmente e culpando o outro, o relacionamento se desintegrará, seja porque ambos não possuem suas projeções, ou uma pessoa esta tão reprimida e ferida (por trauma / dependência), e não se engaja no auto-trabalho sincero, que as projeções se intensificam, mascaradas com raiva inconsciente e ressentimento, constantemente encontrando falhas no outro para justificar esses sentimentos, fazendo-o andar sobre cascas de ovos. Então a única maneira é a separação, pois de outra modo nós seguiremos uma espiral descendente. Precisamos cuidar de nós mesmos em primeiro lugar e não podemos “fazer” nada pelo outro neste caso. Isso não é ser egoísta, mas ser maduro. “Resolução pacífica”, onde ambas as pessoas possuem suas projeções e fazem as pazes nem sempre é possível.

coração-dor-decepção

“Muitos continuam a ser seduzidos pela esperança de que seu parceiro vai mudar para melhor, ficando tão acostumado a ter um relacionamento subnutrido que, quando algumas migalhas de um resultado desejado aparecer (muitas vezes, após um grande barulho ser feito sobre a necessidade de um relacionamento mais próximo), essas migalhas ficam enquadradas como uma festa, uma razão para pendurar lá, para manter a espera, esperando e esperando … E enquanto estamos esperando assim, estamos fazendo pouco mais do que adiar nossa vida, empalando-nos na nossa vã esperança (nossa nostalgia e medo pelo futuro), como se isso fosse tudo o que merecêssemos”.  –  Robert Augustus Masters

“O Sr. Gurdjieff disse que seria necessário desenvolver-se a tal ponto que seria possível conhecer e entender o suficiente para poder ajudar alguém a fazer algo necessário para si mesmo, mesmo quando essa pessoa não estava consciente dessa necessidade, e isso pode funcionar contra você, só que neste sentido foi o amor corretamente responsável e digno do nome do amor real (incondicional)……. Ele acrescentou que, mesmo com a melhor das intenções, a maioria das pessoas teria demasiado medo de amar outra pessoa em um sentido ativo, ou mesmo tentar fazer qualquer coisa por elas; E que um dos aspectos terríveis do amor era que, embora fosse possível ajudar uma outra pessoa até certo ponto, não era possível realmente “fazer” nada por eles. Se você vê outro homem cair, quando ele deveria andar, você pode ajudá-lo a levantar-se. Mas, Embora dar mais um passo seja muito mais necessário para ele do que o ar, ele deve dar esse passo sozinho; é impossível para outra pessoa caminhar por ele”. –  P.D. Ouspensky

Ser o alvo da projeção de sombras de alguém em um relacionamento íntimo (ou nas amizades) é o mais difícil, especialmente enquanto você está fazendo o seu melhor para transcender as suas próprias projeções e reconhecer o dano que você causou por causa de seus próprios comportamentos inconscientes. Dói porque amamos a outra pessoa. Mas mesmo nessa dor, eu sei que aquele que me machuca está com mais dor e não é por minha causa, então eu vou ao seu encontro com compaixão e empatia. Às vezes isso é mais difícil de dizer do que de fazer, mas é a única maneira se não quisermos repetir essas lições na próxima relação apenas com um rosto diferente e ser confrontado com a sombra repetidas vezes sem conta.

Uma forte indicação de projeção de sombras é se estamos tentando “salvar” alguém ou tentando desesperadamente ser “salvos” por alguém, mesmo que inconscientemente. O relacionamento vítima / salvador é um dos movimentos inconscientes mais comuns que une as pessoas, confundindo isso com amor. Tudo diz respeito a não conseguir ter certas necessidades atendidas (superar nossas carências) na infância e tentar obtê-los reconhecidos através de nosso parceiro ou amigos. Enquanto mantivermos F.A.C.E. (Fear, Attachment, Control, Entitlement-Medo, Apego, Controle, Direitos) não aprenderemos as nossas lições, mas continuaremos projetando nossa sombra no outro. Mas a única pessoa que estamos realmente machucando somos nós mesmos, mesmo que não possamos percebê-lo naquele momento.

A dança das sombras, empurrando e presionando, ninguém tem mais culpa do que o outro, ninguém é melhor do que o outro. Às vezes, as ações de uma pessoa parecem ser mais dolorosas do que as do outro. Mas sempre teremos uma visão muito limitada sobre isso. Não vemos o quadro completo. Karma e questões (comportamentais) de vidas passadas também estão em jogo. O universo sempre busca o equilíbrio no quadro maior, mesmo se não pudermos vê-lo (ou mesmo que não queiramos aceitá-lo) na situação em que estamos. É o jogo da dualidade, o yin e o yang, LUZ.

Os relacionamentos íntimos podem agir como um caminho acelerado no desenvolvimento espiritual, como um catalisador, porque grande parte de nossas sombras inconscientes podem facilmente esconder-se enquanto evitamos relacionamentos ou procuramos infinitamente o “parceiro perfeito” que nunca aparecerá. Por outro lado, alguns de nós vão de relacionamento para relacionamento, com medo sempre de estar sozinho, da solidão, não integrando as lições de relacionamentos passados e constantemente procurando fora de nós mesmos por amor, aceitação e realização.

Neste dia e época, os relacionamentos são muito desafiadores, especialmente para aqueles que buscam a verdade sinceramente dentro e fora, saindo da complacência e da conformidade, não jogando pelas regras da sociedade (o sistema de controle em relação a realização do seu potencial), expectativas e desejos condicionados. Temos de pagar com nós mesmos, confrontando o predador e as sombras em primeiro lugar. Então às vezes as pessoas e as situações entram em nossas vidas para que joguem para fora o que nós temos escondido longitudinalmente, somente para que nós reconheçamos as nossas próprias sombras sem culpa.

“A regra psicológica diz que quando uma situação interior não é tornada consciente (ou aceita, compreendida), ela acontece vindo de fora como “destino”(Karma). Ou seja, quando o indivíduo permanece indiviso e não se torna consciente de seu oposto interno, o mundo deve forçosamente atuar no conflito e ser dividido em metades opostas. – Carl G. Jung

Uma das melhores ferramentas que me ajudaram a entender melhor a mim mesmo e aos outros é a astrologia, especialmente combinada com o trabalho psicoterapêutico. Eu sempre gostei da astrologia e aprendi muito sobre mim mesmo desde que eu comecei a análise em minha primeira leitura de minha carta natal em torno de 2001. Durante os últimos quatro meses eu tenho entrado mais fundo nisso e aprendi a apreciar mais a habilidade, conhecimento e intuição de astrólogos talentosos. A astrologia tem evoluído ao longo dos anos também. Eu posso altamente recomendar para começar uma análise profissional de sua carta do seu mapa natal em um ponto em sua vida. Eu tenho algum conhecimento básico de astrologia, mas colocando tudo junto com todas as nuances finas e a imagem maior, uma leitura profissional é absolutamente essencial, caso contrário, você vai se enganar e interpretar mal muitas coisas em seu gráfico. A única interpretação de gráficos gerada por computador que posso recomendar é o trabalho de Liz Green em www.astro.com, especialmente seu Horóscopo Psicológico,

masculino-feminino-criador

No entanto, vale a pena investir em uma leitura individual com um astrólogo profissional, porque nenhum gráfico gerado por computador pode substituir o trabalho intuitivo de um astrólogo competente olhando seu gráfico natal omo um todo. Há muitos astrólogos talentosos lá fora. Compreender seu mapa natal e como os trânsitos atuais o afetam abre um mundo totalmente novo e uma consciência que é muito útil para o seu auto-trabalho e compreensão de si mesmo e dos outros, resultando em aceitação e compaixão.

“Ao estudar a astrologia eu a apliquei a casos concretos muitas vezes. O experimento é mais sugestivo para uma mente versátil, não confiável nas mãos dos sem imaginação, e perigoso nas mãos de um tolo, como sempre são os métodos intuitivos. Se usado de formaINTELIGENTE, a experiência é útil nos casos em que se trata de uma estrutura opaca. Muitas vezes, fornece insights surpreendentes. O limite mais definido do experimento é a falta de inteligência e literalidade do observador. Sem dúvida, a astrologia hoje está florescendo como nunca antes no passado, mas ainda é mais insatisfatoriamente explorada, apesar do uso muito freqüente. É uma ferramenta apta apenas quando usada de forma inteligente (consciente). Não é de todo infalível e quando usada por uma mente racionalista e estreita (obtusa e egoica) é um incômodo definido. – Carl G. Jung

“Se usamos a terminologia psicológica ou esotérica, o fato básico permanece o mesmo: os seres humanos não ganham livre-arbítrio, exceto através da própria auto-descoberta, e não tentam a auto-descoberta até que as coisas se tornem tão dolorosas que não tenham outra escolha. Se o indivíduo não faz nenhum esforço para expandir sua consciência para que ele possa entender a natureza de seu desdobramento total e possa começar a cooperar com ele, então parecerá que ele é um mero peão do destino e não tem controle sobre sua vida. Ele só pode ganhar sua liberdade aprendendo sobre si mesmo para que ele possa entender o valor que uma experiência particular tem para o desenvolvimento de todo o seu eu”. – Liz Green

Mas como com qualquer um desses sistemas (Astrologia, Design Humano, Numerologia, etc), ao dar insights, eles são todos limitados em sua própria maneira e há outros fatores a considerar. Os leitores do meu blog sabem que existem forças que afetam nosso planeta,  o reino hiperdimensional. Há a questão da psicopatia genética, a questão da alma e que não somos todos os mesmos dentro e nem todos temos a capacidade de ativar os centros superiores. Como mencionado anteriormente, estes são tópicos muito complexos que precisam de estudo e consideração cuidadosos. Então há apegos do espírito, que podem alterar a personalidade de modo sutil a muito severo.

A psicoterapia moderna não reconhece a possibilidade do ataque psíquico e das forças hiperdimensionais que operam através de nós. A maioria das pessoas ainda tem uma cosmovisão muito antropocêntrica. Qualquer pessoa que tente despertar da hipnose da humanidade está sob a possibilidade de se encontrar com resistência e ataque, que pode vir através de nossas próprias mentes ou trabalhando com pessoas próximas a nós, nos drenando, nos distraindo e sabotando qualquer tentativa de “escapar da matriz”. Felizmente o terapeuta com que eu tenho trabalhado está ciente dos tópicos acima mencionados e os incorpora em seu trabalho também. Mas mesmo sem entender o reino não-físico, fazer um trabalho psicoterapêutico básico pode curar muito e estabelecer o fundamento muito necessário antes que possamos chegar a um nível mais elevado de elevação de nossa consciência. Na verdade, isso é essencial.

“Há milhões de coisas que impedem o homem e a mulher de despertarem para seu POTENCIAL EVOLUTIVO, E que os mantém sob o poder de seus sonhos (do EGO) hipnóticos. A fim de agir conscientemente com a intenção de despertar, é muito necessário conhecer a natureza das forças que mantêm o homem/mulher em estado de sono. Primeiro de tudo deve ser percebido que o sono (hipnose controlada pelo sistema) em que o ser humano existe não é normal, mas é um sono hipnótico. O homem/mulher é hipnotizado e esse estado hipnótico é continuamente mantido e fortalecido neles. Poder-se-ia pensar (de fato PODEMOS TER CERTEZA) de que existem forças para quem é útil e proveitoso manter o ser humano em estado hipnótico (sob controle) e impedi-lo de ver a sua PRÓPRIA verdade e entender sua posição como ser consciente”.  –  G.I. Gurdjieff

“E como aprendemos com Jesus Cristo, Gurdjieff e os sufis gnósticos, Castañeda e os Cassiopeanos, as regras deste mundo em que vivemos foram criadas e são controladas por este status de hierarquia (das Trevas) e isso têm sido assim por muito tempo (desde o princípio do atual ciclo humano na Terra). Cada vez que a revelação deste Sistema de Controle é tentada, a Matrix entra uma resposta para destruir a revelação (e o seu veículo). E é claro que esta é a situação atual … É somente ao “ver, e perceber o invisível” que nos tornamos conscientes de níveis mais elevados de ser; É nas interações humanas ordinárias que experimentamos as “batalhas” entre as forças das TREVAS e da LUZ! E é definitivamente este fator que o Sistema de Controle de Matrix tenta vigorosamente esconder ! … Em outras palavras, não estamos falando apenas de uma “pequena disputa”, estamos falando de uma batalha de forças em outros (e vários diferentes) níveis, se manifestando – como SEMPRE – na dinâmica dos assuntos humanos”.

– Laura Knight Jadczyk, “The Wave” Volume 5 e 6 “Petty Tyrants & Facing the Unknown”

diamante-azul-movimento

Libere-se de sua ESCURIDÃO… seja UM DIAMANTE …

Considerando tudo isso, podemos facilmente sentir-nos sem poder e oprimidos e ainda há muito que não sabemos. Precisamos nos lembrar de dar pequenos passos, um de cada vez, com paciência, tolerância (sem auto complacência)  e compaixão por nós mesmos e pelos outros. Sempre feriremos os outros ou auto-sabotaremos nosso próprio desenvolvimento no processo de viver a vida às vezes. Procuraremos culpas e desculpas, tentando dar sentido a situações desafiadoras que não podem ser entendidas num determinado momento, racionalizando nossas decisões e comportamentos e mentindo para nós mesmos e aos outros inconscientemente. Inflaremos nossos EGOS com auto-importância e retidão, ou diminuiremos com piedade, poderemos ser excessivamente emocionais ou emocionalmente fechados, poderemos superar os outros ou fugir do confronto necessário para nos defendermos. Vamos superestimar nosso progresso espiritual, Envolvendo-nos no DESVIO espiritual ou nos tornamos muito duros com nós mesmos. Em suma, sempre vamos cometer erros e estragar tudo algumas vezes. É a vida, mas através do sofrimento e do auto-trabalho sincero e CORAJOSO que aprendemos e crescemos. É por isso que precisamos de compaixão mais do que qualquer outra coisa.

A aflição é um estágio essencial e necessário em qualquer forma de auto-trabalho e auto-cura, o que nos leva à compaixão e à empatia. Pode ser doloroso e aparentemente interminável, mas a única saída é através da passagem do tempo e da cura de todas as feridas se continuarmos trabalhando em nós mesmos e deixarmos a graça nos guiar.

“A DOR, TRISTEZA consciente significa luto e devemos deixar ir o passado sem expectativas, medos, censuras, culpas, vergonha, controle, e assim por diante. Sem esse sofrimento consciente, nem o passado nem a pessoa podem ser postos para descansar. Quando nos entristecemos conscientemente, lamentamos cada uma das decepções, insultos e traições do passado agora irrevogavelmente perdidos. Lamentamos qualquer abuso – físico, sexual, emocional. Nós choramos como por nossos pais [ou amigos e parceiros românticos] que simplesmente não nos queiram mais, não nos amaram ou não conseguiram superar suas próprias necessidades o suficiente para nos ver como seres adoráveis que éramos e assim permitir que o nosso SER (real) único emergisse. Nós choramos por todos os modos em que dissemos não ao presente que procuramos lhes dar: plena visibilidade do nosso verdadeiro eu, não o eu que tivemos que fabricar para agradá-los ou protegê-los. Nós choramos todas as vezes que nos viram como um ser assustado, desamparado, e triste, continuamos e ainda não respondemos, cedemos, ou pedimos desculpas. Nós choramos porque até agora, depois de todos esses anos, eles ainda não admitiram seu abuso ou falta de compaixão.

A posição favorita da tristeza é ficar sobre nossos ombros, pressionando-nos. Se estou abandonado no presente e me permito lamentar o abandono, todos os velhos abandonos do passado, que aguardam a sua vez para emergir, saltam sobre meus ombros aflitos. Também estão incluídos nessa tristeza as dores do coletivo humano, o que Virgil chama de “lágrimas nas coisas”. Esses são os dados da relação: o sentido de algo que falta, as intimidades fugidias, os inevitáveis fins. Nós carregamos a sensibilidade a todos aqueles em nossos corações, e nossas dores pessoais os evocam. Que maneira de descobrir que não estamos sozinhos! Nós carregamos a herança do passado arquetípico e o enriquecemos continuamente com nossa experiência pessoal.

Jung sugere que trabalhar em nossos problemas de infância é um primeiro passo necessário para a elevação à consciência espiritual. Como ele diz, “o inconsciente pessoal deve sempre ser tratado primeiro … caso contrário a porta de entrada para o inconsciente cósmico não pode ser aberta.” Não podemos compensar as perdas, mas podemos aprender a tolerá-las e contê-las. Isto é sobre a viagem com a alma de luto.

O luto é uma ação e não uma transação. É nossa responsabilidade pessoal, por isso não o fazemos com os perpetradores de nossas perdas, incluindo nossos pais [e parceiros]. Nós interrompemos nossa própria cura, contanto que ainda tenhamos que lhes dizer o quão mal pensamos que eles eram.

Alguns de nós ainda não estão prontos para enfrentar o que realmente aconteceu conosco; Suspeitamos ou até mesmo sabemos que não temos a força para seguir o processo até sua dolorosa conclusão. É importante respeitar essa hesitação e honrar nosso próprio tempo. Algumas lágrimas podem ser derramadas hoje, algumas no próximo ano, algumas em trinta anos. A criança interior do passado conta sua história um pouco de cada vez, para que não tenhamos muito que lidar com tudo de uma vez. “Pressa ou atraso é interferência”, D.W. Winnicott diz. O fato de que o luto leva tanto tempo para ser resolvido não é um sinal de nossa inadequação. Em vez disso, isso indica nossa profundidade de alma.

Uma narração cognitiva do passado só pode ser uma memória de uma memória a menos que esteja fortemente ligada a um sentimento corporal, porque cada célula do nosso corpo recorda cada evento que nos atingiu na infância. O corpo, mais do que a mente, é o verdadeiro inconsciente humano, armazenando tanto a memória da dor como nossas tentativas de evitá-la. O trabalho, então, é encontrar o sentido exato do que sentimos e não necessariamente uma história de exatamente o que aconteceu. Na verdade, o conteúdo das memórias é menos crucial do que os conflitos que elas representam e as reencenações das situações a que ainda estamos presos. Esses são os verdadeiros alvos do sofrimento, não a lembrança do que aconteceu.

Na verdade, talvez nunca saibamos o que realmente aconteceu no nosso passado, não porque está tão perdido no esquecimento, mas porque está continuamente mudando em nossa memória. Em cada fase da vida, ela se rearranja para se adequar ao nosso novo senso de nós mesmos e do mundo. Memórias são seleções do passado. Assim, nosso objetivo não é tanto reconstruir a memória, mas reestruturar nosso sentido geral do passado para atender às nossas necessidades em mudança constante”. – David Richo

Através do meu próprio processo de luto eu tenho aproveitado ainda mais o sofrimento do coletivo, quase sentindo a dor do mundo. É muito humilhante, ajudando-me a sentir compaixão por mim, amigos e pela humanidade, uma abertura de coração em um nível que eu não experimentei antes, encorajando-me a falar mais e ser mais compassivo ao mesmo tempo, ser um humano à serviço o melhor que posso enquanto cuido  e trabalho em mim mesmo. Ainda assim, é um longo caminho a percorrer e eu aceito os desafios à medida que eles surgem. Estamos todos juntos nisso e é para isso que nos comprometemos.

“Começamos com “meu” sofrimento e podemos permanecer lá, mas às vezes mudamos para “nossa” dor enquanto nossa crueza de coração começa a irradiar para incluir o sofrimento de outros próximos a nós. E então podemos mudar ainda mais para o “sofrimento” enquanto sentimos o nosso sofrimento coletivo e permitimos que esse sentimento nos permeie – o que não apenas traz mais tristeza, mas também mais amor, amor que permanece mesmo enquanto chora livremente. Aqui há um enorme sofrimento, uma dor enorme e uma abertura profunda – juntos, levando-nos através dos extremos da dor em uma amplitude tão naturalmente compassiva quanto vasta “. – Robert Augustus Masters

CorpodeluzazulAlguém sábio disse uma vez: “Quantas vezes você tem que pegar o telefone até que você receba a mensagem? Você não começa a seguir em frente na vida até que as lições são aprendidas e tudo o que há são as lições, todos os dias, a cada momento“. Meditar sobre isso pode ter um efeito de cura profunda e aceitação, compaixão por si mesmo e pelos outros.

Alguns de meus amigos mais próximos passaram por alguns tempos bastante desafiadores recentemente, eu incluído, e eu sei que há muitas pessoas lá fora que também estão neste contexto. Os trânsitos astrológicos intensos confirmá-lo também. Tenha em mente, tudo o que há são lições e aprendemos na medida que seguimos em frente, passo a passo, às vezes alguns passos para trás, às vezes em círculos, mas sempre em movimento. A única constante e certeza é a da mudança e enquanto você estiver neste corpo, há lições a serem aprendidas. Tenha fé e MUITA CORAGEM!


“Um dia você finalmente soube o que tinha que fazer e começou, embora as vozes ao seu redor  continuassem gritando seus maus conselhos – embora toda a casa começasse a tremer e você sentisse o velho puxão em seus tornozelos. “Reparem a minha vida!” Gritou cada voz. Mas você não parou. Você sabia o que tinha que fazer, embora o vento estivesse com seus dedos rígidos batendo nos próprios alicerces, embora sua melancolia fosse terrível. Já era tarde demais, e uma noite selvagem, e a estrada cheia de galhos caídos e pedras. Mas pouco a pouco, voce avançou, na medida que deixou suas vozes para trás”. (Mary Oliver, A Jornada)

Anúncios

5 Comentários

  1. ttps://www.youtube.com/watch?v=_g-RpfM0wO4

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: