HÉLIO'S BLOG

Início » Direitos autorais » A diferença entre liberal, conservador e reacionário.

A diferença entre liberal, conservador e reacionário.

HÉLIO’S BLOG

#Divulgação Científica

Facebook , Twitter :@Heliosblog,  Linked

Brasileiros_n

“Reacionários não são conservadores. Essa é a primeira coisa a entender sobre eles”, afirma Mark Lilla, no recém-lançado The shipwrecked mind: on political reaction

HELIO GUROVITZ

Falar em “revanche da direita” se tornou o maior lugar-comum da análise política contemporânea. A saída do Reino Unido da União Europeia, a ascensão de populistas e fascistas naquele continente, a irrupção de Donald Trump nos Estados Unidos e até a derrocada do PT no Brasil costumam ir para o mesmo balaio, que ainda atribui a crise econômica ao fracasso da globalização, das elites, das grandes corporações e da “mídia”. Rótulos como “neoliberal”, “conservador” ou “reacionário” são usados para qualificar tudo o que entra nesse balaio – como se fossem sinônimos. A tal “direita” reúne gente tão díspar quanto Gustavo Franco, Silas Malafaia ou Jair Bolsonaro. Verdade que os três se opõem, cada um a seu modo, ao socialismo. Mas a semelhança acaba aí. Que significado podem ter categorias como “direita” ou “esquerda”, usadas em contexto ora econômico, ora político, ora religioso, ora comportamental? Elas se tornaram tão vagas e imprecisas que desnaturaram. Na prática, é impossível entender a política usando termos tão abrangentes. No Brasil, apenas agora o espaço reservado à “direita”, maculado pela ditadura militar, começa a ser ocupado de modo explícito. Na Europa e nos Estados Unidos, tal terreno passou a abrigar o nacionalismo populista dos “perdedores da globalização”, o resgate de valores religiosos e comunitários esquecidos pelo discurso científico-tecnológico e a rebelião contra imigrantes e grupos identitários, reunidos sob a alcunha genérica de “tirania do politicamente correto”. Emergiu dessa mistura uma figura que andava adormecida: o reacionário.

Censura

“Reacionários não são conservadores. Essa é a primeira coisa a entender sobre eles”, afirma o historiador Mark Lilla, da Universidade Colúmbia, no recém-lançado The shipwrecked mind: on political reaction (A mente náufraga: sobre a reação política). “Eles são, a seu modo, tão radicais quanto os revolucionários e tão firmemente presas de imagens históricas.” Enquanto o revolucionário busca a redenção numa ordem ideal futura, trazida pela destruição das estruturas em vigor, o reacionário a encontra num passado idílico, perdido por culpa da traição de intelectuais, jornalistas, políticos – em suma, das elites. O revolucionário é movido pela esperança numa idade das luzes; o reacionário, pelo medo de uma era de trevas. Enquanto a esperança pode ser frustrada, escreve Lilla, “a nostalgia é irrefutável”. Daí o apelo da mentalidade reacionária num período de frustração e esperanças perdidas. A “nova reação” saiu das redes sociais para as ruas e para as urnas, do vitupério escatológico de pregadores digitais para os atentados terroristas do Estado Islâmico, dos memes racistas e antissemitas da “alt-right” para o comando da candidatura Trump. “Islamistas políticos, nacionalistas europeus e a direita americana contam a seus filhos ideológicos essencialmente a mesma história”, diz Lilla. “A mente do reacionário é uma mente náufraga. Onde outros veem o rio do tempo fluir como sempre fluiu, o reacionário vê os restos do paraíso passar diante de seus olhos.”

Houve, no século XX, duas respostas antagônicas às revoluções da esquerda. De um lado, a escola austríaca, de Ludwig von Mises e Friedrich Hayek, alertava para o risco representado pelo Estado à liberdade individual.  Acreditavam no progresso e na razão. Suas ideias estão, em versões mais ou menos extremas, na alma dos liberais contemporâneos (chamados “libertários” nos Estados Unidos, onde o adjetivo “liberal” tem outra conotação). De outro lado, pensadores como Eric Voegelin e Franz Rosenzweig criticavam a perda de referências no mundo moderno. Deram voz tanto ao sentimento conservador (que busca “conservar” valores culturais, religiosos e familiares) quanto ao apelo reacionário (que busca voltar a um passado anterior não apenas à fantasia marxista, mas até ao Iluminismo e ao Renascimento, conspurcadores da comunhão com o divino).

a-mente3_o

O personagem mais influente na política recente, diz Lilla, foi outro: o filósofo Leo Strauss. Ele promoveu o improvável casamento de ideias liberais e conservadoras, entre a liberdade individual e o sentimento religioso, expurgado da poeira reacionária. São filhos intelectuais de Strauss a National Review de Ronald Reagan e os “neocons” de George W. Bush. Nada mais distante dele que Trump. Onde Reagan trazia otimismo com o futuro (“é sempre manhã na América”), Trump quer voltar ao passado (“torne a América grande de novo”). Com erudição, Lilla ajuda a entender essa e outras diferenças no balaio da “direita”. Fundamental, aqui no Brasil, para quem se diz de “esquerda” e ainda confunde liberais, conservadores e reacionários. E também para quem se reúne sob a tenda crescente da “nova direita”. A estes, o livro de Lilla traz ainda um alerta: cuidado com quem você vai para cama, ou pode acordar ao lado de um monstro.

cd490-2540barra6-pirazul-movel

Anúncios

3 Comentários

  1. #‎ÍNDIOFOBIA‬ DA SOCIEDADE.
    – ASSINA A PETIÇÃO: SECRETARIA NACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS RESGATE OS ÍNDIOS! http://lnkd.in/bwvqDi8

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: