HÉLIO'S BLOG

Início » Divulgação Científica » Pesquisadores descobrem um reator nuclear de 2.000 milhões anos na África

Pesquisadores descobrem um reator nuclear de 2.000 milhões anos na África

https://helioaraujosilva.wordpress.com/

Categorias

HÉLIO’S BLOG

#Divulgação Científica

Facebook , Twitter :@Heliosblog, Linked

Coração liberto

 Em 1972, um trabalhador de uma fábrica de processamento de combustível nuclear, notou algo suspeito em uma análise de rotina de urânio, obtido a partir de uma fonte mineral normal na África. Como todo o urânio natural, o material em estudo continha três isotopos ou seja, três formas, com diferentes massas atômicas: urânio 238, a variedade mais abundante; de urânio 234, o mais raro; e urânio 235, o isótopo que é cobiçada, pois pode sustentar uma reação nuclear em cadeia. Durante semanas, especialistas da Comissão Francesa de Energia Atômica (CEA) manteve-se perplexa. Em outros lugares da crosta terrestre, na Lua e mesmo em meteoritos, podemos encontrar urânio 235, átomos que representam apenas 0,720 por cento do total. Mas nas amostras que foram analisadas, que vieram do Oklo,depósito no Gabão, uma antiga colônia francesa na África Ocidental, o urânio 235 constituíam apenas 0,717 por cento. Essa pequena diferença foi suficiente para alertar cientistas franceses que havia algo muito estranho acontecendo com os minerais. Estes pequenos detalhes levaram a novas investigações que mostraram que pelo menos uma parte da mina está abaixo da quantidade normal de urânio 235: alguns 200 kg pareciam terem sido extraído num passado distante, hoje, esse montante é suficiente para fazer meia dúzia bombas nucleares. Logo,pesquisadores e cientistas de todo o mundo se reuniram no Gabão,para explorar o que estava acontecendo com o urânio de Oklo.
 
 
O que surpreendeu a todos ali reunidos, foi local onde o urânio originado é realmente um reator nuclear subterrâneo avançado, que vai muito além das capacidades do nosso conhecimento científico atual. Os investigadores acreditam que este antigo reator nuclear tem a idade de 1,8 bilhões de anos e operado por pelo menos 500 mil anos no passado distante. Cientistas realizaram vários outros investigação na mina de urânio e os resultados foram divulgados em uma conferência da Agência Internacional de Energia Atômica. De acordo com agências de notícias da África, os investigadores haviam encontrado vestígios de produtos de fissão e resíduos de combustível em vários locais dentro da área da mina. Incrivelmente, em comparação com este enorme reator nuclear, nossos reatores nucleares modernos não são realmente comparáveis ​​tanto em design e funcionalidade. De acordo com estudos, este  antigo reator nuclear teria vários quilómetros de comprimento. Curiosamente, para um grande reator nuclear assim, o impacto térmico com o meio ambiente foi limitado a apenas a 40 metros de todos os lados. O que os pesquisadores descobriram ainda mais surpreendente, é que os resíduos radioativos que ainda não se moveram para fora dos limites do local, e como eles ainda são mantidos em tanques na geologia da área.
 
O que é surpreendente, é que uma reação nuclear tinha ocorrido de uma forma que o plutônio, o subproduto, foi criado, e a reação nuclear em si, tinha sido moderada, algo considerado como um “santo graal” para a ciência atômica. A capacidade para moderar a reação, significa que uma vez que a reação foi iniciada, foi possível aproveitar a potência de saída de um modo controlado, com a capacidade de prevenir explosões catastróficas ou a liberação da energia de uma única vez. Os investigadores têm chamado a Reator Nuclear em Oklocomo um “Reator Nuclear Natural”, mas a verdade sobre isso vai muito além de nossa compreensão normal. Alguns dos pesquisadores que participaram do teste do reator nuclear, concluiu que os minerais tinham sido enriquecido no passado distante, cerca de 1,8 bilhões de anos atrás, para produzir espontaneamente uma reação em cadeia. Eles também concluíram que a água tinha sido usada para moderar a reação, da mesma forma que os modernos reatores nucleares arrefecem, usando eixos de grafite-cadium que impedem o reactor de entrar em estado crítico e explodindo. Tudo isso, “na natureza”.
 
 
No entanto, o Dr. Glenn T. Seaborg, ex-chefe da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos e ganhador do Prêmio Nobel por seu trabalho na síntese de elementos pesados, ressaltou que para o urânio “queimar” em uma reação, as condições devem ser exatamente corretas. Por exemplo, a água envolvida na reação nuclear deve ser extremamente pura. Mesmo algums milhões de partes contaminantes, irá “envenenar” a reação, levando-a a um impasse. O problema é que a água não pura, existe naturalmente em qualquer parte do mundo.
 
Vários especialistas falaram sobre o incrível Reator Nuclear em Oklo, afirmando que em nenhum momento na história geologicamente estimada dos depósitos de Oklo, foi o urânio 235, suficientemente rico para uma ocorrência de uma reação natural. Quando esses depósitos foram formados em um passado distante, devido à lentidão do decaimento radioativo do U-235, o material físsil teria constituído apenas 3 por cento do total de depósitos – algo muito baixo matematicamente falando para uma reação nuclear. No entanto, a reação ocorreu num lugar misterioso, sugerindo que o urânio original é muito mais rico em urânio 235 do que com a formação natural.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: