HÉLIO'S BLOG

Início » Astrônomia » Estrela Betelgeuse em Órion pode explodir em uma supernova

Estrela Betelgeuse em Órion pode explodir em uma supernova

https://helioaraujosilva.wordpress.com/

Categorias

HÉLIO’S BLOG

#Divulgação Científica

Facebook , Twitter :@Heliosblog,  Linke

Constelação de Órion:

Pontos quentes misteriosos observados em Betelgeuse

Betelgeuse é uma estrela facilmente visível a olho nu, como a estrela vermelha brilhante na parte superior do ombro esquerdo da magnífica Constelação de Orion o Caçador. 

A própria estrela é enorme – cerca de 1.180 vezes maior do que o nosso Sol -, mas a uma distância de cerca de 650 anos-luz, ela ainda aparece como um pequeno ponto laranja no céu. Os cientistas procuram determinar quando ela poderá explodir se transformando em uma supernova, tal evento seria visível na Terra durante muito tempo de dia, como se tivéssemos dois sóis nos céus.

By Royal Astronomical Society, Reino Unido

http://www.astronomy.com e  http://www.esa.int/Betelgeuse

Uma nova imagem da estrela/sol Betelgeuse, uma estrela supergigante vermelha, que fica na Constelação de Órion, mostra que ela tem muitos locais quentes e um arco gigante de gás frio que se estende para muito além da sua atmosfera.

Astrônomos divulgaram uma nova imagem da atmosfera exterior da Betelgeuse – uma das mais próximas estrela supergigante vermelha da Terra, revelando a estrutura detalhada do assunto que está sendo jogado fora a estrela A nova imagem, tirada pela matriz do radiotelescópio e-MERLIN operado a partir Observatório Jodrell Bank, em Cheshire, no Reino Unido, também mostra regiões de gás surpreendentemente quente na atmosfera exterior da estrela e um arco mais frio do gás que pesa quase tanto como a Terra. 

Betelgeuse é uma estrela facilmente visível a olho nu, como a estrela vermelha brilhante na parte superior do ombro esquerdo da magnífica Constelação de Orion o Caçador. A própria estrela é enorme – cerca de 1.180 vezes maior do que o nosso Sol -, mas a uma distância de cerca de 650 anos-luz, ela ainda aparece como um pequeno ponto laranja no céu, por isso para ver detalhes dessa estrela e da região em torno dela, os astrônomos devem combinar telescópios em matrizes. 

A nova imagem de Betelgeuse mostra que ela se estende para fora da sua própria atmosfera em cerca de cinco vezes o tamanho da superfície visível da própria estrela. Revela, também, dois pontos quentes dentro da atmosfera exterior e um leve arco de gás frio ainda mais para além da superfície do raio da estrela. os pontos quentes aparecem em lados opostos de Betelgeuse, separados por cerca de metade do diâmetro visual da estrela. 

Eles têm uma temperatura de cerca de 6.700 ° – 8.500 ° Fahrenheit (3.700 ° -4.700 ° C), muito mais elevada do que a temperatura média da superfície do raio da estrela (em torno de 1.700 ° F [930 ° C]) e ainda mais elevada do que o 6.000 ° F (3.300 ° C), a superfície de visualização. O arco de gás frio está quase a 4,500 bilhões de milhas (7,400 bilhões de quilômetros) de distância da estrela – aproximadamente o mesmo que a distância de Plutão, o planeta mais distante do sol. 

Os cientistas estimam que o gás tem uma massa de quase dois terços da massa da Terra e uma temperatura de apenas -190 ° F (-123 ° C). A líder da pesquisa Anita Richards da Universidade de Manchester, disse que ainda não ficou claro por que os pontos quentes externos são tão quentes:

“Uma possibilidade é que as ondas de choque provocadas tanto pela estrela pulsante ou por convecção em suas camadas exteriores, estão comprimindo e aquecendo o gás.  Outra é que a atmosfera exterior é irregular e nós estamos vendo através das regiões internas mais quentes”.

 O arco de gás frio é possível ser o resultado de um período de aumento da perda de massa da estrela, em algum ponto no século passado, mas a sua relação com as estruturas semelhantes a pontos quentes, que se encontram muito mais próximos e dentro da atmosfera exterior da estrela, é desconhecido.” 

O mecanismo pelo qual estrelas supergigantes vermelhas como Betelgeuse perdem sua matéria para o espaço não é bem compreendido, apesar de seu papel fundamental no ciclo de vida da criação da matéria, enriquecendo o material interestelar a partir do qual as futuras estrelas e os planetas se formarão.

Estudos de alta resolução detalhadas das regiões em torno de estrelas massivas são essenciais para melhorar a nossa compreensão, a Drª Richards acrescentou:

“Betelgeuse produz um vento solar equivalente para perder uma massa da Terra a cada três anos, enriquecido com os produtos químicos que irão para a próxima geração de estrelas e na formação de planetas. Os detalhes completos de como essas novas estrelas evoluem e se desenvolvem lançando seus ventos carregados de energia é uma das grandes questões pendentes na astronomia estelar “.

Continuar com essas pesquisas vai ajudar os cientistas a determinar como é que os elementos  dos blocos de construção da vida retornam ao espaço, bem como o quão perto Betelgeuse esta para explodir como uma supernova.

Anúncios

2 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: