HÉLIO'S BLOG

Início » Agropecuária » Abelhas em perigo de extinção

Abelhas em perigo de extinção

Categorias

HÉLIO’S BLOG

Divulgação Científica

Facebook , Twitter :@HeliosblogLinkedSonico

Escala da extinção das abelhas nos EUA mostra uma catástrofe para a produção de Grãos

As plantas com flores requerem insetos para a sua polinização (reprodução). O inseto mais eficaz e perfeito para essa tarefa é a abelha, que poliniza cerca de 90 tipos diferentes de culturas de alimentos comerciais no mundo inteiro. Assim como a maioria das frutas e vegetais – incluindo as maçãs, laranjas, morangos, cebolas, cenouras – elas polinizam nozes, girassol, canola, café, soja, trevos – como alfafa, que é usada para alimentar o gado – e até mesmo o algodão, todos são culturas dependentes da polinização das abelhas para aumentar a sua produtividade.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Fonte: http://www.guardian.co.uk/environment/2010/may/02/food-fear-mystery-beehives-collapse

O mundo pode estar à beira de um desastre biológico após a notícia de que um terço das colônias de abelhas dos E.U.A. não sobreviverá aos próximos invernos.

guardian.co.uk home

Alison Benjamin, o Observador.

Existe uma perturbadora evidência de que as abelhas estão em declínio terminal, evidência que surgiu a partir dos Estados Unidos, onde, pelo quarto ano consecutivo, mais de um terço das colônias de abelhas não conseguiram sobreviver ao inverno.

O declínio das abelhas no país, de cerca de 2,4 milhões de colméias  começou em 2006, quando um fenômeno apelidado de desordem do colapso da colônia (CCD), levou ao desaparecimento de centenas de milhares de colônias. Desde então, mais de três milhões de colônias dos E.U.A., com bilhões de abelhas morreram em todo o mundo e os cientistas não estão mais próximos de saber o que está causando a queda catastrófica em números das colônias.

As abelhas são insetos polinizadores vitais, responsáveis para o desenvolvimento saudável de muitas culturas no mundo da produção de alimentos mais importantes. Fotografia: David Silverman / Getty Images.

O número de colônias de abelhas geridos nos E.U.A caiu em 33,8% no último inverno, segundo a pesquisa anual da Inspetores de Apiários da América e do governo E.U.A. do Agricultural Research Service (ARS). O colapso global na população de abelhas é uma grande ameaça para as culturas de produção de alimentos. Estima-se que um terço de tudo o que comemos em nosso “moderno mundo” depende da polinização das abelhas, o que significa que as abelhas contribuem com cerca de £$ 26 bilhões na produção de grãos para a economia global.

Possíveis causas variam desde parasitas, como o ácaro sanguessuga Varroa, para infecções virais e bacterianas, pesticidas e a má nutrição decorrentes dos métodos de agricultura intensiva. O desaparecimento de tantas colônias também foi apelidada de “Síndrome de Maria Celeste”, devido à ausência de abelhas mortas em muitas das colméias vazias.

Cientistas dos EUA encontraram 121 diferentes agrotóxicos nas amostras de abelhas, cera e pólen, dando crédito à noção de que os pesticidas são um problema chave na morte da abelhas. “Nós acreditamos que algumas interações sutis entre nutrição, exposição a pesticidas e outros elementos estressantes estão convergindo para matar as colônias”, disse Jeffery Pettis, da ARS do laboratório de pesquisa de abelhas.

Uma análise global de mortes de abelhas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) informou recentemente que não houve uma única causa, mas apontou o dedo para o uso “irresponsável” de agrotóxicos que podem prejudicar a saúde das abelhas e torná-las mais suscetíveis à doenças. Bernard Vallat, da OIE, diretor-geral, advertiu: “As abelhas contribuem para a segurança global na produção de alimentos, e sua extinção representaria um terrível desastre biológico.”

Dave Hackenberg, da Hackenberg Apiários, um apicultor comercial da Pennsylvania-USA, foi quem primeiro levantou as suspeitas e deu o alarme sobre o CCD, ele disse que no ano passado tinha sido o pior para as perdas de abelhas, com 62% de suas 2.600 colmeias morrendo entre maio de 2009 e abril de 2010. “Está ficando pior”, disse ele. “A pesquisa AIA não lhe dá a imagem completa, porque só medem as perdas durante o inverno. No verão as abelhas estão expostos a muitos pesticidas. Agricultores misturam-nos juntos e ninguém tem ideia de quais os efeitos possam ter. “

Pettis concorda que as perdas de colmeias em algumas operações comerciais estão acontecendo em 50% ou mais. “Se as perdas continuarem nesta magnitude, a produção não é economicamente sustentável para os apicultores”, disse ele, acrescentando que uma solução para o problema pode estar a anos de distância. “Olhe para a Aids, que têm bilhões de dólares em pesquisa e um agente causador e ainda esta sem a descoberta da cura. Investigação leva tempo e colmeias são organismos complexos”.

No Reino Unido ainda é muito cedo para avaliar como as cerca de 250 mil colônias de abelhas da Grã-Bretanha  saíram durante o longo inverno. Tim Lovett, presidente da Associação dos Apicultores britânicos, disse: “Curiosamente, é extremamente variável. Há relatos de alguns apicultores de perderem quase um terço de suas colméias e outros, sem perderem nada.” Os resultados de um inquérito da associação de 15.000 membros são esperados para este mês.

John Chapple, presidente da Associação dos Apicultores de Londres, colocou as perdas entre seus 150 membros, entre um quinto e um quarto (20 a 25%). Oito de suas 36 colméias em toda a capital londrina não sobreviverá. “Há ainda uma série de desaparecimentos misteriosos”, disse ele. “Nós não estamos mais perto de saber o que está acontecendo.”

Abelha

Abelha com as patas traseiras carregadas com Pólen

Na Escócia, os apicultores relataram perdas na mesma escala americana, nos últimos três anos. Andrew Scarlett, um apicultor de Perthshire, produtor e embalador de mel, perdeu 80% de suas 1,2 mil colmeias este inverno. Mas ele atribuiu o declínio massivo a uma infecção bacteriana virulenta que se espalhou rapidamente por causa da falta de inspetores de abelhas, juntamente com más condições climáticas que impediram as abelhas de produzirem pólen suficiente e de armazenarem néctar.

A unidade governamental britânica para as abelhas sempre negou a existência de CCD na Grã-Bretanha, apesar das perdas de abelhas de 20% durante o inverno de 2008-09 e perto de um terço em anos anteriores. Ela atribui a queda ao ácaro Varroa – que é encontrado em quase todas as colmeias do Reino Unido – e verões chuvosos que paralisam as abelhas na busca por alimento.

Em um relatório contundente no ano passado, o National Audit Office sugeriu que os apicultores amadores que falham no controle das doenças em colmeias de abelhas eram uma ameaça para a sobrevivência das abelhas “e apelou à National Bee Unit a realização de mais inspeções e mais treinamento destes apicultores. No verão passado, uma comissão de deputados de uma influente comissão de contas públicas de todos os partidos pediram ao governo para financiar mais pesquisas sobre o que chamaram de “declínio” alarmante de abelhas.

Um mundo sem abelhas será um mundo sem cor e com redução de alimentos. Poderá ser mais uma contribuição da nossa moderna civilização !!!

O Departamento para o Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais tem contribuído com £$ 2,5 milhões para um fundo de £$ 10 milhões para pesquisas sobre polinizadores. A comissão de contas públicas tem reinvidicado para que uma parte significativa deste financiamento seja dirigido para as colmeias de abelhas. As decisões sobre quais os projetos de pesquisa financiar são esperados para o final deste mês.

Por que as Abelhas são TÃO importantes

As plantas com flores requerem insetos para a sua polinização (reprodução). O inseto mais eficaz e perfeito para essa tarefa é a abelha, que poliniza cerca de 90 tipos diferentes de culturas de alimentos comerciais no mundo inteiro. Assim como a maioria das frutas e vegetais – incluindo as maçãs, laranjas, morangos, cebolas, cenouras – elas polinizam nozes, girassol, canola, café, soja, trevos – como alfafa, que é usada para alimentar o gado – e até mesmo o algodão, todos são culturas dependentes da polinização das abelhas para aumentar a sua produtividade.

Só no Reino Unido, a polinização das abelhas é um negócio avaliado em torno de £$ 200 milhões (R$ 650 milhões). A humanidade em toda a sua história vem gerindo e transportando colmeias de abelhas para polinização durante séculos de associação com esse inseto, para produção de alimentos e produção de mel e seus derivados, com um adoçante natural e antisséptico fornecido pela natureza.

A extinção das abelhas significaria não apenas uma dieta incolor, sem cereais, frutas e arroz, e roupas sem algodão, mas também uma paisagem mais pobre sem pomares, sem jardins e prados coloridos de flores silvestres – e o consequente colapso da cadeia alimentar que sustenta pássaros, animais selvagens e outros insetos, em muitos casos também provocando a extinção de outras espécies de animais, gerando uma reação em cadeia.

Um abraço

Nós Temos FUTURO

HÉLIO’S BLOG

Petições:

Indígenas, não somos Intocáveis?

http://wp.me/p1ecQj-1Eb

dbd43-comentario Envie para seus amigos!

Secretaria Nacional dos Povos Indígenas juntos podemos fazer algo.

    Clique :

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: